Para conter disseminação de vírus, Japão considera simplificar Olimpíadas de Tóquio

04 de Junho de 2020
Para conter disseminação de vírus, Japão considera simplificar Olimpíadas de Tóquio
Depois do adiamento de 2020 para 2021, as autoridades do Japão estudam realizar os Jogos Olímpicos de Tóquio mais simples e mais baratos. O objetivo é cortar custos e conter a disseminação do coronavírus, que motivou a remarcação do evento.   "Esperamos trabalhar em conjunto com o governo e o Comitê Organizador de Tóquio para analisar o que pode ser racionalizado e simplificado. Será necessário para obter empatia e compreensão do público", disse a governadora de Tóquio, Yuriko Koike.   Diante desse desafio, os japoneses pensam em reduzir o número de torcedores nas arenas, além de diminuir a magnitude das cerimônias de abertura e de encerramento dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos. Já para conter a transmissão do vírus, a restrição de saídas dos atletas da Vila Olímpica, testes obrigatórios para eles, para os funcionários e para o público do evento estão entre as medidas em estudo dos organizadores. É o que diz a ministra do Japão Seiko Hashimoto.   "Temos que considerar o que deve ser feito, incluindo testes, para garantir a segurança", afirmou.   Especialistas estimam que o adiamento dos Jogos Olímpicos ocasionou um custo extra de 3 bilhões de dólares, o equivalente a R$ 15 bilhões. Porém, os organizadores não divulgaram esse balanço. O Comitê Olímpico Internacional (COI) criou um fundo para bancar o impacto da pandemia no esporte e destinou US$ 650 milhões, cerca de R$ 3,3 bilhões, somente para o evento em Tóquio.   Os Jogos Olímpicos de Tóquio estão marcados para acontecer entre 23 de julho e 8 de agosto. Enquanto os Jogos Paralímpicos estão previstos entre 24 de agosto e 5 de setembro.
|