No 'Zorra', Evaldo Macarrão celebra a TV e defende potencial de consagração do ser ator

06 de Fevereiro de 2020
No 'Zorra', Evaldo Macarrão celebra a TV e defende potencial de consagração do ser ator
"Não escolhi fazer arte. É a arte que me escolheu". É assim que o ator baiano Evaldo Macarrão define a sua ida para a atuação. Cria do CRIA, Centro de Referência Integral de Adolescentes, o jovem artista de Cosme de Farias já acumula 12 anos de carreira e, atualmente, integra o programa "Zorra", da Rede Globo.    Com trabalhos no teatro, no cinema e obviamente na TV, Macarrão, que teve o sobrenome artístico gerado por uma brincadeira de um antigo educador, celebra a oportunidade de estar em uma emissora e, ao mesmo tempo, entende que "fazer Rede Globo talvez não seja o que todos os atores queiram fazer, mas é estar no lugar em que você é assistido de uma forma justa ou digna".   Também formado em Pedagogia, Evaldo celebra a capacidade do "Zorra" em "descaracterizar a ideia do preto opressor, favelado e marginalizado". Para ele, essa mudança o torna "alegre" e "potente" no que faz, na medida em que a atração cumpre uma "grande necessidade" em construir um "outro formato de criticidade, de humor e graça".     Inspirado em pessoas que fizeram parte da sua construção artística como a diretora Carla Lopes e os atores Ângelo Flávio, Marinho Gonçalves, Carlos Betão, Valdinéia Soriano e Rejane Maia, Macarrão evita se rotular somente como um comediante ou humorista. Negro e vindo da periferia de Salvador, Evaldo Macarrão comemora o fato de ser mais um profissional na televisão capaz de criar representatividade com o público: "Para mim é de tamanha alegria e felicidade ver pessoas que estão se vendo quando me vêem na TV. Isso é muito simbólico, poético, lindo". Clique aqui e confira a entrevista completa na coluna Holofote!
|