Moro diz que aceitou ser padrinho de Zambelli por 'constrangimento', e deputada rebate

11 de Junho de 2020
Moro diz que aceitou ser padrinho de Zambelli por 'constrangimento', e deputada rebate
Sergio Moro, ex-ministro do governo Bolsonaro e ex-juiz, disse, nesta quinta-feira (11), que aceitou o convite para ser padrinho de casamento da deputada Carla Zambelli (PSL-SP) por "constrangimento". "Pouco conheço a Zambelli. Na verdade, a questão é que foi aquele tipo de convite que você fica constrangido: 'ah, vamos lá prestigiar'. Mas eu nunca tive um relacionamento próximo, pessoal com a deputada", disse ele em entrevista ao programa "Timeline", da Rádio Gaúcha. Na cerimônia realizada em fevereiro, a deputada escolheu Moro e o ministro da Educação, Abraham Weintraub, e suas respectivas mulheres, Rosângela e Daniela, como padrinhos e madrinhas de seu casamento com o coronel Aginaldo de Oliveira, diretor da Força Nacional de Segurança. Na entrevista, Moro ainda minimizou declarações anteriores da deputada de que ele perseguia o PT e protegia o PSDB enquanto julgou casos da Operação Lava Jato. "É um velho discurso de perseguição política", disse. Após a declaração de Moro, Carla Zambelli publicou mensagem no Twitter em que ironiza o constrangimento relatado pelo ex-ministro com vídeo no qual ele elogia a deputada. Em seguida, questiona se Moro é "mentiroso" ou "cínico". "Da nossa parte era verdadeiro, prezado. O duro agora são os álbuns, que não se editam. Mas sempre fica o aprendizado", concluiu Zambelli. À radio, Moro voltou a dizer que não deixou o governo para ser um líder opositor e que se via como uma bandeira anticorrupção. "Eu não saí do governo para construir uma oposição. Eu saí, declinei meus motivos e o objetivo nem foi prejudicar o governo. Até fiquei surpreso com a abertura do inquérito (sobre a denúncia no STF). O objetivo foi expor o porquê eu estava saindo e era proteger as pessoas, a Polícia Federal", completou.
|