McLaren fará corte de 1,2 mil funcionários devido crise causada pela pandemia

26 de Maio de 2020
McLaren fará corte de 1,2 mil funcionários devido crise causada pela pandemia
A tradicional equipe britânica de Fórmula 1, McLaren, anunciou nesta terça-feira (26) que pretende demitir 1.200 funcionários do grupo. Em decorrência da crise que a pandemia, Paul Walsh, presidente executivo do Grupo McLaren, declarou para uma emissora de TV do país que colaboradores de vários setores devem ser cortados, incluindo pessoas que trabalham no ramo esportivo.    "Lamentamos profundamente o impacto que essa reestruturação terá sobre todo o nosso pessoal, mas especialmente aqueles cujos empregos podem ser afetados", declarou Walsh.    "Neste momento, não temos escolha a não ser reduzir nossa força de trabalho. Estamos passando por um período de grande crise, para nossa sociedade e nosso povo. Mas pretendemos ressurgir como uma empresa sustentável e eficiente para retornar ao crescimento no futuro", explicou o presidente executivo.    As demissões reduzem o grupo em 25%, já que, até então, 4 mil pessoas trabalham pela McLaren. Apesar de não ter anunciado quantas pessoas de cada setor estão selecionadas para dispensa, a estimativa é que, pelo menos, 70 delas eram membros da Fórmula 1.    Parte da crise nas equipes de F1 está relacionada com a redução do teto de gastos para as corridas da temporada. A discussão é que o valor limite de US$ 175 milhões seja reduzido para US$ 145 milhões por equipe. 
|