06 de Março de 2021

Vitória enfrenta o Ceará no Castelão pela Copa do Nordeste

Vitória enfrenta o Ceará no Castelão pela Copa do Nordeste

Com novidades no time, o Vitória enfrenta o Ceará neste sábado (6), às 16h, na Arena Castelão em Fortaleza, válido pela segunda rodada da Copa do Nordeste.
 
O lateral-esquerdo Pedrinho será titular no lugar de Leocovick, que não foi relacionado. Já o volante Guilherme, que está próximo de fechar com o arquirrival Bahia (saiba mais aqui), deverá começar entre os 11.
 
O técnico Rodrigo Chagas projeta um grande jogo e espera que sua equipe possa ter equilíbrio durante os 90 minutos.
 
"Acho que o mais certo é buscar o equilíbrio, tanto no primeiro quanto no segundo tempo. Tentar manter o mesmo nível de trabalho no jogo, com postura bem eficaz nos três setores. Espero que possamos fazer um grande jogo, com atitude, alegria e buscando sempre o resultado, sabendo que vamos enfrentar uma equipe muito forte jogando em seus domínios. Vamos trabalhar para sair com um ótimo resultado", afirmou.
 
No Ceará, a tendência é que a parte dos jogadores titulares sejam poupados novamente.  O jogo será o primeiro do Alvinegro como mandante na Copa do Nordeste. Na estreia, o time comandando por Guto Ferreira empatou em 1 a 1 com o ABC.
 
FICHA TÉCNICA
Ceará x Vitória
Copa do Nordeste - 2ª rodada
Local: Arena Castelão, em Fortaleza
Data: 06/02/2021 (sábado)
Horário: 16h
Árbitro:  Tiago Nascimento do Santos (PE)
Assistentes: Clóvis Amaral da Silva (PE) e John Andson Alves Ribeiro (PE)
 
Ceará: Richard; Eduardo, Klaus, Gabriel Lacerda, Kelvyn; Naressi, William Oliveira, Marlon; Rick, Saulo Mineiro e Vizeu. Técnico: Guto Ferreira.
 
Vitória: Yuri; Van, João Victor, Wallace e Pedrinho; Gabriel Bispo, Guilherme Rend e Fernando Neto; David, Samuel e Vico. Técnico: Rodrigo Chagas.


Tags Relacionadas

vitória, enfrenta, ceará, castelão, pela, copa, nordeste,

06 de Março de 2021

Mais de 10 milhões de senhas de brasileiros são expostas em vazamento global

Mais de 10 milhões de senhas de brasileiros são expostas em vazamento global

Mais de 10 milhões de senhas de brasileiros estão expostas em um compilado de dados vazados e agregados ao longo de, no mínimo, três anos. O combo ainda inclui 68.535 senhas ligadas a emails da administração pública do país.

 
Os dados estão em um compilado global, com cerca de 3,2 bilhões de registros (emails e senhas) vazados de diversos países, que veio à tona no início de fevereiro, de acordo com sites especializados internacionais.
 
A empresa de cibersegurança Syhunt levantou quais deles eram relativos ao Brasil, e chegou a 9,78 milhões de senhas ligadas a domínios "br", conforme publicou o jornal O Estado de S. Paulo nesta sexta (5).
 
O número deve ser muito superior porque não foi possível averiguar quais contas de domínios como Gmail, Hotmail e Yahoo, são de brasileiros.
 
De acordo com o levantamento da Syhunt, entre os 20 domínios brasileiros (com endereço ".gov" de email) com maior número de senhas expostas estão Caixa, Previdência, Fatec, Câmara dos Deputados, Prefeitura de São Paulo, Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, Prefeitura de Macaé, entre outros.
 
Também há emails de servidores da Petrobras e da Justiça. O STF (Supremo Tribunal Federal) se pronunciou sobre as senhas de 98 emails expostas da Ccorte. Afirmou que servidores usaram o endereço eletrônico do tribunal para fazer cadastro em sites na internet.
 
"Não se trata de nenhum tipo de invasão a sistemas da Suprema Corte", afirmou o STF.
 
Apesar da insegurança de alguns sites da administração pública, é provável, de acordo com especialistas, que os servidores utilizem as credenciais para acesso a outros sites, de modo que as empresas estatais não precisam ser invadidas para que esses dados sejam expostos. Ou seja, basta se cadastrar com o email corporativo em uma página insegura.
 
O compilado tem sido chamado de PWCOMB21 (sigla em inglês para um termo como "compilado de senhas de diversas violações em 2021"). A origem dos dados é diversa, vindo de diferentes empresas dos setores público e privado ao longo de anos.
 
Não há, segundo a Syhunt, ligação direta entre esse compilado e a exposição e venda de 220 milhões de dados de brasileiros, noticiada em janeiro, embora eles tenham sido evidenciados no mesmo fórum.
 
De acordo com Felipe Daragon, fundador da Syhunt, em 2017 hackers publicaram o primeiro combo de emails e senhas, um total de 1,4 bilhão de credenciais do mundo todo. A versão publicada em fevereiro foi uma espécie de atualização, agora com 3,2 bilhões de senhas.
 
Os especialistas da Syhunt identificaram que várias senhas vazadas coincidiam com as já utilizadas pelos usuários. Um dos principais problemas desse compilado é a evolução do registro de senhas pessoais ao longo dos anos, o que pode levar um criminoso a descobrir a nova senha de um usuário que tenha trocado.
 
Por exemplo, se a pessoa apenas acrescenta um novo caractere na hora de atualizar a senha ou muda apenas o nome do personagem de um mesmo filme, dá indícios de um padrão de senha que utiliza.
 
Não é possível saber se as senhas estão atualizadas, mas é provável que algumas estejam. De qualquer modo, manter vulnerável o histórico de senhas já é um risco ao cidadão.
 
Em alguns casos, a empresa de segurança digital detectou de três a 30 senhas relacionadas a um único endereço de email.
 
Para se proteger, usuários devem alterar suas senhas para palavras complexas, evitando sequências alfabéticas, com diferentes caracteres e números.
 
Em nota, o Serpro (Serviço Federal de Processamento de Dados) afirmou que as 323 contas identificadas com domínio "serpro.gov.br" se referem a dados pessoais cadastrados, em outros sites ou portais externos, por meio de login utilizando o email corporativo, "portanto, não tendo como origem as bases de dados administradas pela empresa".
 
Diz, ainda, que suas bases de dados e as bases do governo sob sua operação permanecem íntegras e que não houve qualquer tipo de incidente de segurança nos domínios administrados pela empresa.
 
A reportagem procurou a ANPD (Agência Nacional de Proteção de Dados), mas ainda não obteve retorno.


Tags Relacionadas

mais, milhões, senhas, brasileiros, são, expostas, vazamento, global,

06 de Março de 2021

Bahia recebe o Botafogo-PB na estreia do time principal na temporada 2021

Bahia recebe o Botafogo-PB na estreia do time principal na temporada 2021

Após alguns dias de folga com o encerramento do Campeonato Brasileiro, o time principal do Bahia entra em campo pela primeira vez na temporada 2021. A equipe comandada pelo técnico Dado Cavalcanti encara o Botafogo-PB no seu primeiro desafio, neste sábado (6), às 18h15, pela segunda rodada da Copa do Nordeste. O palco do duelo não será a Arena Fonte Nova. A praça esportiva voltou a receber um hospital de campanha para abrigar pacientes com a Covid-19. Com isso, a partida acontecerá no estádio de Pituaçu.
 
Apesar da temporada ser nova, o torcedor do Bahia só verá caras conhecidas em campo. Com a bagunça no calendário provocada pela pandemia do novo coronavírus no ano passado, não houve o tradicional período de férias e a diretoria do Tricolor não conseguiu fazer novas contratações. Além disso, alguns jogadores deixaram o clube após o encerramento dos seus contratos. E os reforços chegarão com as competições em andamento.
 
"Dá para fazer uma equipe competitiva, mas não é a ideal. Todos sabem disso. Nós tivemos perdas significativas. De início, já perdemos três titulares. Mas a confiança que temos nos jogadores é grande. Nós vamos colocá-los em campo. Já tiveram participações efetivas, fizeram grandes jogos pelo Bahia. Mas também tenho a consciência, e todos aqui internamente sabem disso, que não é o ideal. Que estamos buscando fortalecer o nosso grupo, até em quantidade mesmo, porque tenho poucos jogadores à disposição. Não é minha intenção enfraquecer a equipe de transição no momento. Vai ter a oportunidade em que nós vamos absorver alguns jogadores, porque já estão demonstrando seu potencial, qualidade. Isso faz parte do processo. O momento vai ser um pouquinho mais difícil, mas eu confio muito no que temos hoje à disposição para fazer uma equipe competitiva para estrear na Copa do Nordeste e na Copa do Brasil", afirmou Dado.
 
Por esse cuidado com a equipe de transição, Dado Cavalcanti chamou apenas o goleiro Matheus Teixeira para compor o elenco, já que Matheus Claus está machucado. Após ter sido liberado do dia da reapresentação, o atacante Rossi retomou aos treinamentos na última quinta (4). Outra novidade é o atacante Gabriel Novaes que se recuperou de uma lesão muscular e volta a ficar à disposição.
 
O time principal do Bahia assume a disputa da Copa do Nordeste após o triunfo da garotada da transição na estreia. O Tricolor é o primeiro colocado na tabela de classificação do Grupo A com três pontos.
 
Botafogo-PB
Vindo de empate na estreia com o 4 de Julho-PI, o Botafogo-PB terá um duro desafio diante do Bahia. Durante a semana, o clube contratou o volante Lagoa e o meio-campista Clayton. Porém, o segundo não viajou para Salvador e ficou na Paraíba aprimorando a parte física. Por outro lado, o técnico Marcelo Vilar tem novidades. O lateral e volante Pablo e o atacante Cesinha se recuperaram de lesão e voltam a ficar à disposição.
 
FICHA TÉCNICA
Bahia x Botafogo-PB
Copa do Nordeste - 2ª rodada
Local: Pituaçu, em Salvador
Data: 06/03/2020 (sábado)
Horário: 18h15
Árbitro: Michelangelo Martins de Almeida Junior (PE)
Assistentes:  Ricardo Bezerra Chianca (PE) e Karla Renata Cavalcanti de Santana (PE)
 
Bahia: Douglas; Nino Paraíba, Lucas Fonseca, Juninho e Matheus Bahia; Patrick, Ramon e Daniel; Rodriguinho, Rossi e Gilberto. Técnico: Dado Cavalcanti.
 
Botafogo-PB: Felipe; Rodrigo Ramos, Samuel Souza, Willian Machado e Tsunami; Rogério, Juninho e Marcos Aurélio; Welton Felipe, Roniel e Ramon Tanque. Técnico: Marcelo Vilar.


Tags Relacionadas

bahia, recebe, botafogo-pb, estreia, time, principal, temporada, 2021,

06 de Março de 2021

Ao menos 500 baianos serão afetados se ONG deixar de fabricar medicação de cannabis

Ao menos 500 baianos serão afetados se ONG deixar de fabricar medicação de cannabis

Cerca de 14 mil pacientes que sofrem com enfermidades como epilepsia, alzheimer, parkinson e altismo podem ter o atual modo de tratamento das doenças interrompido. Na última sexta-feira (26), o Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF-5) suspendeu a liminar que dava direito à Associação Brasileira de Apoio Cannabis e Esperança (Abrace) a cultivar a folha cannabis sativa para produção de óleo medicinal. A ONG produz e oferece para todo o Brasil o medicamento a preço menor que o de mercado.
 
Pacientes de outras instituições também fazem uso do óleo produzido pela Abrace Esperança. É o caso da Associação Para Pesquisa e Desenvolvimento da Cannabis Medicinal no Brasil (Cannab), de Salvador. O fundador e presidente da entidade, Leandro Stelitano, dimensiona à imprensa qual será o impacto da decisão para os baianos.
 
Segundo o presidente da Cannab, cerca de 500 associados fazem uso medicinal do óleo de cannabis produzido pela Abrace na Bahia. "Essa decisão irresponsável irá afetar os pacientes que podem sofrer com a interrupção do seu tratamento", argumenta. Ele aponta que há responsáveis por pacientes sem condições financeiras de comprar o produto com o custo do mercado nacional ou fora do país.
 
A Abrace oferece o medicamento por valores que variam entre R$ 100 e R$ 300. O valor representa de 4% a 10% do valor de mercado de, por exemplo, dois medicamentos internacionais aprovados pela Agência Nacional de Vigiância Sanitária (Anvisa) que, segundo o presidente da Cannab, custam entre R$ 2.500 e R$ 3.000. Outra alternativa é comprar a medicação fora do Brasil.
 
A ONG tem permissão para cultivar cannabis desde 2017, sujeita ao cumprimento de medidas que, segundo a Anvisa, foram alteradas e desobedecidas. De acordo com o TRF-5, seriam a Autorização Especial e a Autorização de Funcionamento, que deveriam ser providenciadas pela Abrace junto à Agência. 
 
Segundo o TRF-5, o mérito da ação está previsto para ser analisado no dia 18 deste mês, durante a sessão da Terceira Turma de Julgamento. Até lá, os efeitos da liminar concedida à ONG em primeira instância ficarão suspensos. A decisão do Tribunal aconteceu após a Anvisa sinalizar que a Abrace não estava cumprindo normas técnicas.
 
"Esses requisitos não estão sendo observados pela Associação, o que obrigou a Anvisa, após infrutíferas tentativas administrativas de sanar os problemas, a informar a situação ao Tribunal Regional Federal da Quinta Região. A medida é necessária para evitar um risco sanitário que possa levar ao agravamento da saúde dos pacientes", diz a agência reguladora em comunicado.
 
A entidade é a única associação no país com autorização judicial para cultivo e distribuição de medicamentos à base da erva. O processo é feito na sede da entidade, localizada na Paraíba. O desembargador federal do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, Cid Marconi, representantes da Anvisa e do Ministério Público Estadual (MP-PB) visitaram o local na última quarta-feira (3), para colher informações técnicas sobre o cultivo e processo de produção do óleo de cannabis. Uma decisão do magistrado estava prevista para até esta sexta-feira (5).
 
A situação gerou mobilização nacional por parte de voluntários da Abrace e de entidades associadas, artistas como a cantora Rita Lee e a atriz Cláudia Rodrigues, políticos como a deputada federal do PSOL Sâmia Bomfim e internautas por meio da hastag #abracenaopodeparar.
 


 

 
 

 


Ver essa foto no Instagram

 

 
 
 

 
 

 
 
 


 
 

Uma publicação compartilhada por ABRACE ESPERANC?A (@abraceesperanca)


A Anvisa está pedindo na Justiça que a @abraceesperanca perca o direito de plantar e produzir produtos a base de canabidiol. Ouça os relatos das famílias que dependem desse tratamentos e fortaleça a luta para que a associação permaneça ajudando a salvar vidas.#abracenaopodeparar pic.twitter.com/U0wkoeLWG4
- Sâmia Bomfim (@samiabomfim) March 2, 2021

APROVAÇÃO E REDUÇÃO DE CUSTOS
Stelitano explicou à imprensa que é preciso autorização de todas as instituições para o cultivo medicinal da cannabis. Para ele, o custo das medicações seria reduzido caso houvesse ampla produção nacional.
 
Ele destaca que as associações buscam regulamentação do cultivo no país através do Projeto de Lei 399/15 que, segundo ele, já devia ter sido colocado em votação pelo Congresso. "Essa lentidão faz com que o Brasil seja o último país da América do Sul a ter uma regulamentação da Cannabis para fins medicinais. Na regulação atual aprovada pela Anvisa, só beneficia quem tem poder aquisitivo, pois temos dois óleos importados sendo vendidos nas farmácias: um pelo valor de R$ 2.500 e o outro por R$ 2.200 um frasco de 30 ml", critica.
 
 
CUIDADO OU PRECONCEITO?
A liberação da cannabis medicinal enfrenta uma série de preconceitos que afetam o avanço das discussões. Em outubro de 2019, o então diretor-presidente da Anvisa, William Dib, disse que não desistiria da proposta de liberar o aval ao plantio de Cannabis medicinal por empresas mesmo após duras críticas.
 
Por causa do posicionamento, entrou em rota de colisão com o governo de Jair Bolsonaro. O então ministro da Cidadania, Osmar Terra, chegou a dizer que Dib "não entendia nada" sobre a discussão da liberação da maconha para tratamentos. "Essa conversa de que vai ter um lugar controlado para fazer pesquisa é conversa fiada. Qualquer permissão que tu der para plantio de substâncias que são proibidas abre a porta para a legalização", disse Terra ao O Globo.
 
No início de dezembro, a Anvisa acabou autorizando a venda de remédios à base de maconha em farmácias, mas proibiu o plantio - exatamente o que seria essencial para tornar o medicamento mais barato e acessível. Dias depois, Dib foi substituído pelo bolsonarista Antônio Barra Torres, que havia votado contra a autorização do plantio.
 
Na época, Stelitano avaliou a liberação como "um passo importante", mas "paliativo". "A única diferença agora é a empresa pode importar a matéria prima e manipular o produto aqui no Brasil. Então você vai ter uma diminuição no custo do produto importado. Mas mesmo assim o que nós estamos buscando e que inclusive teve votação agora de tarde na Anvisa e não foi aprovado é que produção e o cultivo local", disse ele no fim de 2019.

















Tags Relacionadas

menos, 500, baianos, serão, afetados, ong, deixar, fabricar, medicação, cannabis,

06 de Março de 2021

OAB aprova ação de inconstitucionalidade contra varas de substituição do TJ-BA

OAB aprova ação de inconstitucionalidade contra varas de substituição do TJ-BA

O Conselho Pleno da seccional baiana da Ordem dos Advogados do Brasil - (OAB-BA) aprovou nesta sexta-feira (5) o ajuizamento de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) contra as Varas de Substituição de 1º e 2º Grau do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA).  A possibilidade já havia sido discutida na última sessão plenária (saiba mais).  A ação deverá tramitar no Supremo Tribunal Federal (STF).
 
A proposta foi relatada pela vice-presidente da Ordem, Ana Patrícia Leão. Atualmente, são 74 juízes titulares em vara de substituição, que podem ajudar a melhorar a Justiça de 1º Grau. Segundo Ana Patrícia, a Vara de Substituição foi criada em 1966, através da Lei de Organização Judiciária do TJ-BA. Naquele contexto, a Justiça baiana era menor, e a entrância final só correspondia a Salvador. Com a promoção de juízes e movimentações na carreira, muitos chegaram a Salvador, mas não tinha varas para serem titularizados. Com isso, foi criada a Vara de Substituição para juízes titulares de 1º Grau. "Nada é tão ruim que não possa piorar", disse Ana Patrícia, ao contar que, em 2014, na gestão do desembargador Eserval Rocha, o TJ criou a figura do juiz titular de substituição de 2º Grau. 
 
Conforme Ana Patrícia já havia explicado à imprensa, esses juízes não são titularizados em nenhuma vara e ficam "orbitando" no Judiciário. Eles não têm acervo, servidores, espaço físico para atuar, e detêm competência plena para atuar em qualquer vara, seja criminal ou cível. A vice-presidente da OAB também conta que há uma discussão sobre a questão entre os próprios juízes, por não ser uma situação confortável. "Esses são designados pelo presidente do TJ para ocupar uma vara, mas não detêm a competência, não têm ambiente físico, não têm processo, não têm servidores, a produtividade não consta no E-SAJ e nem no PJE", informa. De acordo com Ana Patrícia, uma juíza já apresentou um questionamento no Conselho Nacional de Justiça (CNJ) sobre a situação.
 
Para além da inconstitucionalidade, por não criar vínculo do juiz a um acervo, a produtividade e a um espaço físico, Ana Patrícia aponta outra problemática, revelada no curso da Operação Faroeste. "Isso permite a designação de magistrados pelo presidente para comarcas específicas, para julgar feitos específicos, apesar de não terem sido criados para essa finalidade", afirma a representante da Ordem. Ela rememora que o início das investigações da Faroeste partiram justamente da designação de juízes para o oeste baiano para julgar processos específicos. "Se elas são inconstitucionais em sua origem, por fazer uma nomeação específica, sem critérios objetivos, pois não existe qualquer critério para substituição, essas varas não podem ser mantidas, sobretudo neste momento do Tribunal de Justiça", avalia.
 
Ana Patrícia também destacou o projeto do TJ-BA de transformar varas de substituição em varas de Juizados Especiais, sem a participação da OAB nas discussões. "A OAB precisa ser ouvida quando se muda uma competência de uma vara. Não vemos que é prioridade transformar em vara de juizado. Nós poderíamos dizer qual a maior demanda do estado, que é por exemplo na área da Fazenda Pública, que há uma quantidade insuficiente de varas", sinaliza. A transformação foi suspensa nesta semana pelo CNJ, a partir de um requerimento do desembargador José Edvaldo Rocha Rotondano (veja aqui).
 
Para Fabrício Castro, presidente da OAB-BA, a própria magistratura vai concordar com o pleito. "Precisamos acabar com isso, respeitando as prerrogativas dos magistrados, os titularizando em varas, pois a médio prazo, com certeza, isso representará uma melhoria na prestação jurisdicional", afirma. Fabrício ainda espera que o próprio TJ-BA faça uma reflexão sobre a situação, pois não faz sentido manter a existência dessas varas.


Tags Relacionadas

oab, aprova, ação, inconstitucionalidade, contra, varas, substituição, tj-ba,

06 de Março de 2021

Setor de entretenimento busca 'reanimação'; Secult promete ações para próximos dias

Setor de entretenimento busca 'reanimação'; Secult promete ações para próximos dias


Neste fim de semana, completa um ano do primeiro caso da Covid-19 registrado na Bahia. Durante o período, um dos setores mais afetados pelas restrições impostas pela pandemia foi o de cultura e eventos, que acumula perdas ainda incalculáveis.

 

"O cenário está bem pior do que estava na primeira onda. A coisa chegou a um nível tal para o setor, que a gente nem fala mais em 'retomada'. A gente está usando a palavra agora 'recuperação', pra não dizer 'reanimação'", avalia o presidente da Associação Baiana das Produtoras de Eventos (Abape), Moacyr Villas Boas, destacando que se realmente tivessem conseguido, em algum momento, retomar as atividades, não estariam em estado tão crítico. "É fato que muitas empresas fecharam, outras estão por fechar, então, agora se trata da necessidade de os poderes públicos desenvolverem políticas para a recuperação do setor", pontua.

 

No mês de janeiro, em entrevista à imprensa, Moacyr comentou situação delicada para a área do entretenimento e citou a dificuldade de diálogo com o governo da Bahia (sabia mais). No mesmo período, em conversas com a prefeitura de Salvador, o setor quase deu início a iniciativas como o planejamento de evento teste que daria um norte para a retomada das atividades. Este projeto, assim como outras tratativas, acabaram ficando em suspenso com o agravamento da pandemia.

 

Agora, ele afirma que apesar de já ter conseguido superar o impasse e avançar na interlocução com a o executivo municipal e estadual, nada de concreto saiu do papel para dar suporte às áreas de evento e cultura.

 

"Entendemos que é um caminho natural no processo político e burocrático, mas continuamos achando que existe morosidade, em todos os sentidos", ponderou o presidente da Abape. Como forma de reação, ele aponta propostas como isenções fiscais, um auxílio emergencial voltado para empresas e também sugere que prefeitura e governo estadual utilizem recursos próprios para investir em políticas para o setor, além de aplicar a verba federal da Lei Aldir Blanc. "Às vezes isso pode ser confundido, mas não se trata de um privilégio para um setor específico. Na realidade, eu desconheço outro setor que teve as atividades integralmente paralisadas durante a pandemia, nem o turismo - que foi bastante afetado -, teve. Então não é privilégio criar uma política específica para salvar o setor", argumenta Moacyr.

 



Só com a ausência do Carnaval, houve uma perda de mais de R$ 1 bilhão em receitas (clique aqui e saiba mais) | Foto: Naiara Barros / Odú Comunicação

 

Reafirmando o entendimento da necessidade das medidas restritivas, sobretudo neste momento em que a pandemia tem se agravado no país, Villas Boas argumenta, no entanto, que a área do entretenimento não pode seguir penalizada e sem apoio. "Agora, de fato, se faz necessário o lockdown, não somos negacionistas. Mas a culpa disso não é dos eventos, porque nunca voltaram durante a pandemia. E acreditamos que não é nem do comércio em si, porque ele investiu em medidas, equipamentos, protocolos para que voltassem", pontua o produtor, que credita o aumento de casos e mortes por Covid-19 na Bahia e no Brasil à falta de fiscalização efetiva.

 

Titular da Secretaria de Cultura e Turismo de Salvador, Fabio Mota confirmou o diálogo mantido com o setor, reconheceu as dificuldades pelas quais a cidade passa diante da necessidade de se fazer um isolamento mais duro, mas aponta soluções paliativas para breve.

 

"Nós estamos em uma discussão que envolve Saltur, Fundação Gregório de Mattos e outros órgãos da prefeitura. A vice-prefeita Ana Paula está tocando isso, que é a implementação de uma ação específica para o setor cultural e de entretenimento que não teve acesso à Lei Aldir Blanc. Nós estamos nessa discussão aí e acho que nos próximos dias o prefeito Bruno Reis deve divulgar", revelou o secretário de Cultura e Turismo da capital baiana, ressaltando que a "ajuda específica" para o segmento estará "evidentemente, dentro dos parcos recursos que o município dispõe, em função da pandemia e do que está se gastando". "Já são mais de R$60 milhões que têm relação direta com a pandemia e essa discussão a gente deve findar nos próximos dias e o prefeito deve fazer uma coletiva e divulgar", reitera.

 

Sobre as demandas apresentadas pelos empresários e profissionais da área, Mota diz que "todas essas hipóteses estão sendo debatidas nesse fórum que nós montamos". Ele salienta, porém, que atualmente a prioridade é "a pessoa que trabalhava com cultura e entretenimento que tem dificuldade hoje de sobreviver", mas pontua que outras propostas também estão sendo estudadas.

 

"Nós temos uma lei federal que acabou de ser votada, que é especificamente para uma linha de crédito para o setor de entretenimento. Nós estamos acompanhando isso dentro do Fórum Nacional de Secretários de Cultura e Turismo, que já vai contemplar boa parte desses pedidos", acrescenta o gestor municipal, em referência ao Projeto de Lei 5638/20,  que cria o Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos. Aprovado nesta quarta-feira (3) pela Câmara dos Deputados, ele vai para votação no Senado (veja mais detalhes).

 

A respeito do projeto, o presidente da Abape vê com bons olhos a facilidade de crédito, mas alerta para o fato de que esta não é uma solução definitiva e tampouco eficaz para a totalidade das empresas impactadas pela crise. 

 

"Crédito é uma coisa que você vai pegar, mesmo sendo com juros bem interessantes, bem baixos, mas é um dinheiro que você vai ter que devolver mais cedo ou mais tarde. Quando essas linhas de crédito saírem, as pessoas mais desesperadas e que realmente já estão com a corda no pescoço, vão começar a pegar esses créditos, mas é um tiro no escuro", pondera Moacyr Villas Boas. "Graças a Deus que existe o crédito, não estou dizendo que é ruim não, mas é um tiro no escuro a partir do momento em que não existe nenhuma luz no fim do túnel de quando as coisas irão voltar a acontecer, mesmo que seja de forma reduzida", acrescenta, lembrando que, por conta do cenário desfavorável, muitos empresários terão que aplicar a verba para quitar gastos fixos dos empreendimentos ou até pessoais, e não como forma de investimento que possibilite sanar a dívida adquirida. 

 

RETROSPECTIVA 

Como uma das primeiras medidas para tentar conter o avanço da Covid aqui na Bahia, o governador Rui Costa decretou, do dia 16 de março, a suspensão de eventos religiosos, esportivos e culturais com mais de 50 pessoas nas cidades de Salvador, Feira de Santana e Porto Seguro, cidades que já possuíam casos da doença (veja aqui).

 

A restrição foi mais ampla do que a editada pelo então prefeito de Salvador, ACM Neto. Por meio de um decreto publicado no último sábado (14), o prefeito proibiu a realização de eventos com mais de 500 pessoas no dia 14 daquele mês.

 

Ao perceberem que o setor de eventos seria um dos primeiros a parar e o último a voltar, empresas ligadas às festas de grande porte precisaram desacelerar ou até mesmo frear as atividades (veja aqui). E, além disso, ao longo dos meses, começou a surgir movimentos de alguns artistas e empresários pendido uma atenção do poder público para a classe.

 

Em outubro, o BN reuniu, em uma mesa redonda virtual, Wagner Miau, produtor de eventos; Marcelo Britto, empresário de Léo Santana; Guto Ulm, produtor de eventos; e Leo Ferreira, empresário de Bell Marques, com o intuito de trazer as principais demandas e reivindicações do grupo. Naquele momento, após quase oito meses de pandemia, ainda não havia um posicionamento claro do retorno das atividades. 

 

"O maior impacto para a gente é em relação ao emprego. Todos os componentes dessa cadeia produtiva estão prejudicados, alguns realmente passando fome. É desesperador. Já estamos zerando nossas economias e seguimos procurando ajudar todas essas pessoas. É hora de parar, pensar e criar um plano de retomada", pediu Britto (assista aqui).

 

Dois dias depois, em oito de outubro,  cantor Wesley Safadão fez um apelo, "por todo uma classe prejudicada", no qual trabalham profissionais ligados a eventos culturais e shows. No registro, com imagens de apresentações, etapas de produção e manifestações, o cantor pediu a retomada das atividades da categoria (veja aqui).

 

Na ocasião, estava em vigência a terceira fase na Capital que autorizava apenas a volta dos shows voz e violão nos bares e restaurantes. No entanto, apresentações com bandas continuaram proibidas. "Banda está proibido. Show com banda é sem cogitação. Nem banda eletrônica e nem de percussão. Voz e violão é uma pessoa cantando e tocando ou uma pessoa cantando e outra tocando violão. Acima disso, é banda", disse ACM Neto (relembre aqui).  

 

Com isso, lidando com as proibições, mas sem um plano claro de auxílio há quase um ano, um grupo de empresários da Bahia desembarcou em Brasilia-DF no dia nove de fevereiro para apoiar o movimento nacional na missão de aprovar o PERSE (Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos) (veja aqui).

 

Dois dias depois, profissionais de eventos do Estado fizeram uma manifestação em frente ao Shopping da Bahia (aqui) e mais tarde o cantor Xanddy fez um longo desabafo nas redes sociais. Em entrevista à imprensa, ele detalhou o que motivou àquela atitude.

 

"Enquanto pessoa física já ajudei tudo que pude a todos de minha equipe e até outros de fora. A empresa - enquanto pessoa jurídica - também fez muito dentro do possível. Penso que, principalmente aqui na Bahia, os músicos são molas propulsoras para muitas coisas, somos a cidade da música e reconhecida pela Unesco. Então, não ter um olhar cuidadoso para esta classe; um amparo financeiro mesmo, uma coisa organizada, é muito difícil de digerir. Para mim fica um ar de abandono. Sei que vários outros setores estão sofrendo, mas eu posso falar pelo meu", reforçou (leia aqui).

 

Somente na última quarta-feira (3), a Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (3) o Projeto de Lei 5638/20, que cria o Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos (Perse). A matéria foi enviada ao Senado.

 

Para esse projeto serão beneficiadas empresas de hotelaria em geral; cinemas; casas de eventos; casas noturnas; casas de espetáculos; e empresas que realizem ou comercializem congressos, feiras, feiras de negócios, shows, festas, festivais, simpósios ou espetáculos em geral e eventos esportivos, sociais, promocionais ou culturais, além das entidades sem fins lucrativos (veja aqui).



 





Tags Relacionadas

setor, entretenimento, busca, reanimação, secult, promete, ações, para, próximos, dias,

06 de Março de 2021

Primeiro caso de Covid-19 na Bahia completa 1 ano em semana de recordes e colapso

Primeiro caso de Covid-19 na Bahia completa 1 ano em semana de recordes e colapso

"Esse negócio vai acabar nunca, não, vei?". O questionamento direcionado a absolutamente ninguém pelo vendedor de picolé no meio da rua chamou atenção de um homem aleatório que passava andando num dia de lockdown parcial em Salvador. "Ta f*da", respondeu. Mesmo sem citar o que era exatamente o "esse negócio", o assunto já era sabido por ambos: o papo, mesmo que breve, se referiu à pandemia. A resposta à pergunta do comerciante não poder ser respondida com precisão, dadas as imprevisibilidades da Covid-19. Contudo, o diálogo ocorreu no dia 365 após a Bahia registrar o primeiro oficial de pessoa contaminada com o novo coronavírus. Neste sábado, quando o calendário demarca o dia 6 de março de 2021, o estado completa um ano do primeiro caso oficial. 
 
E, 12 meses depois, a situação regrediu ao patamar mais urgente: são 12.353 mortes contabilizadas até o momento pela Secretaria da Saúde do Estado (Sesab). No total, 706.375 pessoas já foram contaminadas pelo novo coronavírus na Bahia. Dos 22.233 casos ativos, 991 estão internados em leitos de UTI adulto exclusivos de tratamento da doença - estes números significam 87% de ocupação dos leitos, mesmo com a abertura gradativa destes espaços no estado.
 
O PRIMEIRO CASO
A primeira pessoa infectada pela Covid-19 no estado é de Feira de Santana. De acordo com a Sesab, trata-se de uma mulher de 34 anos que voltara de viagem da Itália, antigo epicentro da pandemia. Ela retornou da Europa no dia 25 de fevereiro, após passagens por Milão e Roma, onde aconteceu a contaminação. 
 
Após isto, o vírus passou a demonstrar seu potencial sua vertente disseminadora. A primeira infectada passou a Covid-19 para a sua empregada doméstica, que, por conseguinte, transmitiu a doença para a mãe. 
 
RECORDES 
Nos últimos dias, os números apresentados dão o tom da gravidade da pandemia na Bahia. Somente desde o último domingo (28), houve recordes na média móvel (4.421), de ocupação total de leitos (75), de internados em UTI (991), de ocupação das UTIs (87%). Na semana anterior, houve também marcas quebradas de mortes em 24h (137) e de casos diários (6.520). Houve também recorde de mortes em 24h em Salvador: 51.
 
 
MIMIMI? SÓ QUE NÃO...
Embora o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) tenha sugerido ao longo da semana que falar sobre a gravidade da pandemia é mimimi, os números mostram o contrário.
 
Com o iminente colapso do sistema de saúde na Bahia, o governador Rui Costa (PT) endureceu as medidas e, em consonância com alguns prefeitos baianos, decretou toque de recolher em todo o estado, além do fechamento de atividades não essenciais em áreas específicas. Em Salvador, o prefeito Bruno Reis (DEM) cancelou a última fase de abertura do comércio. Se em janeiro a cidade vivia a fase 3 da medida, o mês de fevereiro fez com que a prefeitura da capital virasse a chave e voltasse à "fase zero". No momento, apenas atividades consideradas essenciais podem funcionar, à contragosto de grupos empresariais que se dirigiram por mais de uma vez à casa do sucessor de ACM Neto (DEM) que, em julho do ano passado, iniciou a primeira fase da reabertura.
 
Somente nesta semana, o governo estadual anunciou a abertura de leitos nos hospitais Metropolitano, Alayde Costa, na Arena Fonte Nova e no Hotel Riverside - estes dois foram reativados como hospitais de campanha por conta do momento crítico da pandemia.
 
Na capital, Bruno Reis determinou a abertura de mais um hospital de campanha numa quadra esportiva em Itapuã. O município também tomou para si a administração do Hospital Salvador.
 
Para conter a demanda crescente na capital, o gestor anunciou que quatro unidades de saúde da família (USF) seriam convertidas em unidades Covid-19 para abrigar leitos clínicos. Já algumas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) da cidade passaram a receber leitos de terapia intensiva para suprir a demanda crescente.
 
LINHA DO TEMPO
Desde o primeiro caso registrado em Feira, as notificações foram se multiplicando em progressão geométrica. Em 19 de maio do ano passado, o estado ultrapassou a barreira de 10 mil casos - neste, entidades médicas editaram um documento em que não recomendam a hidroxicloroquina, medicamento exaltado por Bolsonaro, contra Covid-19 (leia mais aqui). 
 
Já a demarcação de 100 mil casos foi atingida em 10 de julho. Neste dia, teve início a inscrição de voluntários para a vacina da Oxford/AstraZeneca em Salvador (leia mais aqui).
 
Os 500 mil casos registrados foi outra marca. Isto aconteceu no dia 6 de janeiro deste ano, quando a Associação Brasileira de Imprensa (ABI) protocolou, na Câmara dos Deputados, um pedido de impeachment contra o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, terceiro titular da pasta do governo Bolsonaro somente na pandemia - antes, ocuparam o cargo Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich (leia mais aqui).
 
No dia 25 de agosto de 2020, o apresentador José Luiz Datena, da Rede Bandeirantes, rebateu críticas de Bolsonaro à imprensa. O presidente, em tom agressivo, afirmou: "aquela história de atleta né, que o pessoal da imprensa vai para o deboche, mas quando pega num bundão de vocês a chance de sobreviver é bem menor. Só sabe fazer maldade, usar a caneta com maldade em grande parte". Datena então retrucou. "Bundão é o senhor", criticou (relembre aqui).
 
Em 29 de janeiro deste ano, o estado ultrapassou a marca de 10 mil mortes enquanto o secretário da Saúde da Bahia (Sesab), Fábio Vilas-Boas, criticava a "burocracia" para que as vacinas fossem aprovadas pela Agência de Vigilância Sanitária (leia mais aqui).  


Tags Relacionadas

primeiro, caso, covid-19, bahia, completa, ano, semana, recordes, colapso,

05 de Março de 2021

Custo da cesta básica cai em 12 capitais brasileiras; Salvador tem alta de 2%

Custo da cesta básica cai em 12 capitais brasileiras; Salvador tem alta de 2%

O custo da cesta básica caiu em fevereiro em 12 das 17 capitais brasileiras analisadas na Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos, feita mensalmente pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Nas demais cinco capitais, o preço da cesta aumentou, entre elas, Salvador.
 
As maiores reduções foram registradas em Campo Grande (-4,67%), Brasília (-3,72%), Belo Horizonte (-3,16%), Vitória (-2,46%) e Goiânia (-2,45%).
 
A cesta básica mais cara do país é a de Florianópolis, com custo médio de R$ 639,81. A mais barata é a de Aracaju, com custo médio de R$ 445,90. Salvador teve reajuste mensal de 2,06%, com custo da cesta de R$ 488,94. 
 
Com base na cesta mais cara, a de Florianópolis, o Dieese estimou que o salário mínimo necessário para suprir as despesas de um trabalhador e da família dele com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência seria de R$ 5.375,05, o que corresponde a 4,89 vezes o salário mínimo vigente, de R$ 1.100.
 


Tags Relacionadas

custo, cesta, básica, cai, capitais, brasileiras, salvador, tem, alta,

05 de Março de 2021

Disputa por vaga de desembargador no TRE já tem 3 candidatos; inscrições terminam dia 8

Disputa por vaga de desembargador no TRE já tem 3 candidatos; inscrições terminam dia 8

A disputa pela vaga de desembargador titular do Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA) já tem três candidatos: os magistrados Mário Alberto Simões Hirs, Baltazar Miranda Saraiva e José Cícero Landin Neto. As inscrições para o pleito irão até a próxima segunda-feira (8).

 
Atualmente, Mário Alberto Hirs e Landin Neto são desembargadores do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), enquanto Baltazar Saraiva trabalha, desde dezembro de 2020, como desembargador substituto no TRE-BA.
 
Os três candidatos disputam a vaga que será deixada pelo atual presidente do TRE-BA, Edmilson Jatahy Fonseca Júnior, que deixará seu mandato de dois anos no próximo dia 28 de março.


Tags Relacionadas

disputa, por, vaga, desembargador, tre, tem, candidatos, inscrições, terminam, dia,

05 de Março de 2021

RMS: Homem é detido com 289 trouxas de maconha em Dias D?Avila

RMS: Homem é detido com 289 trouxas de maconha em Dias D?Avila

Um homem acusado de tráfico foi detido com 289 trouxas de maconha nesta sexta-feira (5), na cidade de  Dias D'Avila, na Região Metropolitana de Salvador (RMS). De acordo com a Secretaria de Segurança Pública (SSP), o homem já acumula passagens por tráfico de drogas.  
 
A ação contou com agentes da  36ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM/Dias D'Avila) que atuavam na Rua Farias de Brito, no bairro Imbassay. "Ele já era conhecido pela nossa unidade e, assim que suspeitamos da atitude dele não hesitamos em ir atrás. Ele correu para uma área de mata fechada, porém, não era um local de difícil acesso, sendo fácil captura-lo", contou o comandante da 36ª CIPM, major Hidelgard Dantas. 
 
Ainda segundo a SSP, em uma mochila, o rapaz carregava além das trouxas de maconha, quatro pinos de cocaína, 25 embalagens vazias para embrulhar a droga, uma faca, balança e dois celulares. Os materiais seguiram, juntamente com ele, para a 25ª Delegacia Territorial (DT) de Dias D'Ávila.  O titular da unidade, delegado Bruno Pereira Oliveira, revelou que o indivíduo "foi flagranteado por tráfico de drogas e segue custodiado na unidade, à disposição da Justiça".
 


Tags Relacionadas

rms, homem, detido, com, 289, trouxas, maconha, dias, davila,

05 de Março de 2021

Odebrecht pede penhora de mais de R$ 50 milhões contra o Botafogo na Justiça

A Odebrecht entrou na Justiça com um pedido de penhora no valor de R$ 53.362.122,00 contra o Botafogo-RJ. O pedido de penhora é sobre os direitos de transmissão do Campeonato Carioca e da Série B do Brasileirão, além dos direitos econômicos de três jovens promessas do Botafogo: Matheus Nascimento, Kauê e Jhonnata.
 
A informação foi publicada primeiramente pelo site "Esporte News Mundo" e confirmada pelo Globo Esporte. O clube disse entender que "o pedido não procede, pois já existe bens garantindo essa execução que, aliás, tem a sua validade contestada". O pedido ainda não foi analisado pela Justiça.
 
O processo corre desde 2017 na 49ª Vara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ), quando a Odebrecht entrou com cobrança de um empréstimo de R$ 20 milhões feito ao Botafogo em 2013, na gestão de Maurício Assumpção.
 


Tags Relacionadas

odebrecht, pede, penhora, mais, milhões, contra, botafogo, justiça,

05 de Março de 2021

MPT-BA ajuíza ação contra prefeitura de Feira de Santana e Associação por irregularidades

MPT-BA ajuíza ação contra prefeitura de Feira de Santana e Associação por irregularidades

O Ministério Público do Trabalho (MPT) na Bahia entrou com uma ação judicial contra a prefeitura de Feira de Santana, na Região Metropolitana de Salvador, e a Associação Saúde em Movimento (ASM), contratada pelo município para gerir a Policlínica da Rua Nova. Segundo o órgão, há descaso com cerca de 68 profissionais de saúde que trabalham no local.
 
Entre os itens que o órgão considera que precisam ser corrigidos imediatamente, estão: a contratação de pessoal, para garantir a higienização diária das instalações, pintura e tratamento de mofo e rachaduras nas paredes da unidade, oferta de EPIs e realocação do necrotério.
 
"O órgão aguarda o julgamento do pedido de liminar determinando  adoção de uma série de medidas para garantir um ambiente seguro e sadio", diz o MPT em comunicado.
 
Segundo o MPT, a ação foi ajuizada após uma "longa negociação" entre o órgão e a Associação Saúde em Movimento. "Mas a demora em adotar as medidas apontadas nas fiscalizações realizadas levou o órgão a procurar o Judiciário", explica o Ministério.
 
A ação foi ajuizada no dia 16 de fevereiro e teve o pedido de liminar reforçado este semana pelo procurador Ilan Fonseca, autor da ação. Para Ilan, a cada dia passado sem que o Judiciário analise a questão e determine as, segundo ele, irregularidades apontadas nas duas inspeções feitas na Policlínica, significa um "risco a mais" para os trabalhadores e pacientes do local.
 
"A urgência da oferta de tratamento de casos de covid-19 não pode servir de desculpa para que sejam mantidas condições de trabalho tão precárias na Policlínica da Rua Nova, em Feira, onde 68 trabalhadores da saúde estão sendo submetidos, por meses, ao risco direto a sua saúde e a sua segurança, com reflexos claros também sobre os pacientes", afirma o procurador. 
 
Ilan lembra que o caso chegou ao conhecimento do MPT ainda no primeiro semestre de 2020. O órgão afirma que expediu recomendação para a correção das falhas de segurança e depois foi feita uma inspeção minuciosa, apresentando à ASM o relatório com todos os itens a serem corrigidos.
 
Mas, o MPT afirma que, apesar de terem sido adotadas algumas das exigências do relatório encaminhado em novembro, até o início de fevereiro a maior parte dos itens apontados na fiscalização continuavam inalterados. O órgão afirma que estes descumprimentos prolongam a exposição dos trabalhadores a riscos diários.
 
Já a ASM alega que parte das ações depende da prefeitura, responsável pela estrutura física do imóvel e oferta de equipamentos. O MPT descreve que por este motivo, o município de Feira de Santana é réu na ação. É pedida a concessão da liminar, sob pena de multa de R$10 mil por item descumprido e o pagamento de R$150 mil em indenização por danos morais coletivos, a serem pagos pelo município e pela empresa contratada.


Tags Relacionadas

mpt-ba, ajuíza, ação, contra, prefeitura, feira, santana, associação, por, irregularidades,

Anterior1234