Economista de Marina defende rever reformas e atacar 'política apodrecida'

Postado dia 10 de Agosto de 2018
Economista de Marina defende rever reformas e atacar 'política apodrecida'
Um dos assessores do plano econômico da presidenciável Marina Silva (Rede), o economista André Lara Resende acha que a forma como se faz política no Brasil apodreceu e que a candidata, ao optar por não fazer o "jogo fisiológico", é a melhor opção para resolver a crise criada pelo presidencialismo de coalizão. Resende defendeu iniciativas como a revisão da reforma trabalhista aprovada pelo governo Michel Temer (MDB) e uma nova proposta de reforma da Previdência, nesta sexta-feira (10), em evento em São Paulo. Ele disse, no seminário promovido pela FGV (Fundação Getúlio Vargas) e pelo jornal O Estado de S. Paulo, que o presidencialismo de coalizão -atacado pela presidenciável, que sugere um modelo de proposição- foi tomado no país por "forças patrimonialistas, grupos de captura de renda", que funcionam "como um cupim". Estão na categoria, segundo ele, "aqueles que veem o Estado como uma coisa para ser apropriada por eles, pelos que ocupam o Estado, e os interesses corporativos, associações de fora do Estado que funcionam como um grupo de pressão". Associando-se a esses dois grupos, é impossível governar, acredita o economista. O sistema -que está perto do colapso, na visão dele- só poderá ser modificado com uma alteração na forma como a Presidência conduz o país, afirmou. O "modelo ético" de Marina seria a solução para acabar com o "loteamento do Estado para interesses patrimonialistas". "Fernando Henrique [Cardoso] não tentou [quebrar essa estrutura de poder] e, ao contrário, se submeteu a ela para fazer a reeleição. E o Lula não tentou e claramente fez uma coisa pior ainda. O mensalão sinalizou uma forma abertamente corrupta de se submeter a essas estruturas", disse. "É preciso ter confiança de correr o risco de mudar", continuou, diante de pergunta sobre as dificuldades que viriam com uma ruptura na forma de governabilidade atual. "O Congresso, os deputados e senadores, não são insensíveis à opinião pública. Eles se corromperam porque a opinião pública deixou de prestar atenção", afirmou. 'GOELA ABAIXO' Resende ouviu no evento a crítica de que Marina tem sido pouco assertiva ao falar de propostas. Ele adotou linha semelhante ao dizer que pontos específicos de uma reforma previdenciária sugerida por ela, como idade mínima e tempo de contribuição, serão discutidos posteriormente. "Não faz sentido você vir com uma proposta [pronta], você não negociar", afirmou ele, ressaltando que dois pontos norteariam um eventual projeto: não prejudicar os mais desfavorecidos e ser viável e equilibrado. Para o economista, não se pode querer "passar goela abaixo da população" um tema tão fundamental quanto a reforma da Previdência. "A questão não é popular porque ela não foi explicada, não foi entendida." O conselheiro de Marina disse ainda que a reforma trabalhista precisa de ajustes porque "foi feita de uma maneira atabalhoada e confusa", embora tenha tido uma "direção correta". A ex-senadora costuma falar que a lei aprovada foi draconiana e carece de revisão. Na opinião de seu conselheiro, há pontos que não estão claros, o que cria insegurança jurídica. "Portanto, ela precisa ser revista", afirmou. Sobre o teto de gastos implementado por Temer, Resende disse concordar com a intenção da medida, mas ter dúvidas sobre a forma como foi executada. "Foi positivo, mas foi mais uma concessão ao nosso formalismo." Ele levantou a bandeira do controle fiscal, defendendo eliminar o déficit primário e "criar imediatamente superávit", mas sem apelar para o aumento de impostos, já que a carga tributária "está no limite do tolerável". O economista considera ser prioridade, além de resolver "a asfixia fiscal do governo", impulsionar a política industrial com integração ao mercado internacional ("A economia do Brasil ainda é muito fechada"). O desemprego, pontuou, resulta da falta de crescimento. Para Resende, privatizações são bem-vindas em algumas áreas. "Eu não acho que o Estado deva ser empresário." No caso da Eletrobras, "não tenho dúvida de que as distribuidoras devem ser privatizadas", disse. "A Marina não apoia [a privatização] na parte da geração de energia, porque há implicações ambientais muito sérias." 'POSTO IPIRANGA' Resende, que fez parte da equipe que criou o Plano Real, frisou que é um colaborador da campanha de Marina e evitou, durante o evento, entrar em discussões de cunho mais eleitoral ou político.  "Eu falo em meu nome. E a Marina é a candidata à Presidência da República. Não é como o [Jair] Bolsonaro", disse ele, referindo-se ao discurso do presidenciável de que as decisões econômicas em seu governo serão tomadas pelo economista Paulo Guedes. Bolsonaro apelidou seu guru de "posto Ipiranga", alusão à campanha publicitária que usa o bordão "pergunta lá no posto Ipiranga". "Eu estou preocupado em como a Marina vai governar [caso se eleja], não em eleger a Marina", resumiu Resende. A equipe econômica da ex-senadora tem ainda os economistas Eduardo Giannetti da Fonseca, Ricardo Paes de Barros, Marco Bonomo e Samir  Cury. Propostas defendidas pelo grupo devem constar no programa de governo de Marina, coordenado pelo ambientalista João Paulo Capobianco. O documento deverá ser divulgado nos próximos dias. Paes de Barros foi um dos idealizadores do Bolsa Família, programa que, na opinião de Resende, deve ser mantido, mas pode funcionar como embrião para um projeto mais amplo de renda universal básica. Resende também endossa a ideia de Giannetti sobre a independência do Banco Central. Eles defendem que o órgão tenha independência operacional. Marina concorda com a proposta, mas na eleição de 2014 defendeu a autonomia formal do BC (com mandato para os diretores, por exemplo) porque herdou a bandeira do plano de governo de Eduardo Campos (PSB). Com a morte do então presidenciável e sua ida para a cabeça de chapa, ela resolveu manter o que estava registrado anteriormente pela campanha. "Sou contra formalismo. O Banco Central não pode ser um quarto, quinto poder. Tem que estar submetido ao governo", disse Resende, reforçando que é preciso evitar ingerência política do Planalto nas decisões.
|