‘É como a pele que veste o nosso corpo’: a importância do tecido para a moda e decoração

Postado dia 22 de Outubro de 2018
‘É como a pele que veste o nosso corpo’: a importância do tecido para a moda e decoração
Matéria-prima das nossas roupas, o tecido é indispensável tanto para o mundo da moda quanto para a decoração. Em entrevista ao BN Mulher, a especialista em tecidos, Ana Ferrer destaca que quando o assunto é tecelagem, os dois universos andam juntos. "Há uma simbiose dos dois segmentos visto que os estilistas e os designers trabalham com o objetivo de atender a demanda de ambos os mercados", explica.   Criado na antiguidade, o tecido é resultado de uma trama de fibras que se transformaram em fios e são entrelaçados no processo de tecelagem. Antes da sua existência, os homens primitivos se vestiam com a pele dos animais que caçavam para se alimentar. A especialista conta que na antiguidade, a tecelagem era uma atividade familiar e um meio de sustento para várias famílias.   Segundo ela, o linho, a seda e o algodão são os mais antigos da história. O linho representava poder e vestia a nobreza. Já a seda foi uma invenção dos chineses através da criação do bicho da seda, e o algodão inicialmente era cultivado pelos maias. "Os romanos dormiam em lençóis de algodão e nas arenas as cortinas eram de linho, o mobiliário era trocado de acordo com a estação. No inverno, usavam veludo de lã e no verão tafetá de seda", relata.   Ferrer ainda explica que a fibra do tecido pode ser: natural, artificial e sintética. Primogênita, a natural pode ser extraída dos animais, vegetais e minerais, como a seda, o algodão e linho. A artificial se caracteriza pela sua produção em laboratórios, como a viscose e o rayon. A sintética é derivada do petróleo, como o poliéster, poliamida e acrílico. Quanto a popularização, se deu com as Grandes Navegações, que foram a principal precursora para estimular o comércio de tecidos no oriente e ocidente.   O tipo de fibra implica diretamente na qualidade do tecido, principalmente nas roupas. Ou seja, o resultado final da peça depende da gramatura do tecido, que é a quantidade de grama por metros quadrados. "Quanto maior a gramatura, maior suavidade ao toque e mais macio", pontua. Além disso, a especialista também chama atenção para a escolha. "O caimento do tecido é muito importante, caso pretenda uma roupa fluida, espessa, rígida ou transparente", completa.
|