Secretaria de Políticas para as Mulheres reforça necessidade de punição a agressores

Postado dia 16 de Maio de 2018
Diante do caso da estudante Clara Emanuelle Santos Vieira, de 20 anos, que revelou sofrer agressões por parte do marido, a Secretaria de Políticas para as Mulheres do Estado (SPM-BA) destaca que defende a punição de todo e qualquer agressor no âmbito da legislação vigente no Brasil. A secretária Julieta Palmeira lembra que é inadmissível o fato de mulheres continuarem a ser agredidas nos constantes casos de violência doméstica. "A violência contra as mulheres é uma face cruel do machismo e todos, governos e sociedade, precisam estar juntos para mudar essa cultura e evitar a impunidade", afirma. O caso de Clara, que é filha do prefeito de Muniz Ferreira, veio à tona na última sexta-feira (11). Ela relatou que o marido, filho do prefeito de Salinas, cortou seu cabelo por acusá-la de ter um amante. A jovem conta que é vítima de agressões, tanto físicas quando psicológicas, desde que estava grávida. Sempre que ameaçava deixar o marido, ela era agredida ainda mais. De acordo com a Voz da Bahia, Clara conseguiu fugir graças a uma vizinha, que ouviu as agressões, e chamou a polícia. Já o agressor alega que também ficou machucado durante a briga e que foi espancado por cinco homens. À frente do caso, a delegada da 4ª Coorpin de Santo Antônio de Jesus, Patrícia Jaques, disse que medidas de proteção à vítima já foram decretadas (saiba mais aqui). A fim de melhorar o acolhimento a todas as mulheres vítimas de violência nas delegacias comuns ou especializadas, recentemente a SPM assinou um Termo de Cooperação Técnica com a Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA) para ampliar a capacitação em gênero de policiais civis.
|